BIO

Silvia Cristina Pereira nasceu no Dia da Árvore (21 de setembro) do ano de 1969, em Ribeirão Preto (SP). Caçula temporã de três filhas, cedo aprendeu a brincar sozinha, criando historinhas para as peças de um tabuleiros de xadrez. Logo descobriu nas Sessões da Tarde (que entre as décadas de 1970 e 80 exibiam grandes clássicos do cinema sob a batuta do saudoso Paulo Perdigão) uma forma de “viajar” em histórias já prontas – algo que já fazia com a música, sem perceber, e aprenderia a fazer também com livros, assim  que foi alfabetizada.

Cresceu criança estranha, voltada para dentro, e se aprendeu a fazer amigos bem mais tarde na vida foi porque isso não se ensina em livros e filmes.

Decidiu quase na fila da inscrição para o vestibular que seguiria uma profissão que lhe possibilitasse continuar contando suas próprias histórias por meio da escrita, como se permitia fazer nas aulas de Língua Portuguesa. Chutou em Jornalismo… e acertou.

Saiu da faculdade já trabalhando na área, arregimentada por dois de seus professores para a redação do Jornal de Ribeirão (1990/92). Dali foi aprender texto de revista na Revide (1992/93), depois de semanário, no Enfim Ribeirão (1993/94), e de jornal diário no caderno local da Folha de S. Paulo (1994/96). Saiu para cuidar do Departamento de Cinema do Museu da Imagem e do Som de Ribeirão Preto (1996), mas ficou poucos meses antes de voltar para o jornalismo diário, desta vez  “fora de casa”: foi  para Jaú (SP) aprender a ser editora no jornal Comércio do Jahu (1997/2000).

Em 2000, aceitou cargo de editora de Cidades no Diário da Região, em São José do Rio Preto. No ano seguinte, virou assessora de imprensa na Prefeitura em Mirassol (2001/2003). Em 2003 realizou, finalmente, o sonho de trabalhar só com jornalismo cultural, no caderno TôLigado! da Tribuna Impressa, em Araraquara (2003/2012). Foi lá que criou, em 2009, seu primeiro blog, de cinema, o CINÉLIDE, que migrou com ela para sua cidade natal, em 2012, quando assumiu, no jornal A Cidade, o caderno de Cultura “C“.

Em 2016, um acidente de moto que quebrou suas duas pernas, envolveu Silvia em um processo de recuperação que durou mais de um ano. A imobilidade, aliada à necessidade de expressão, a levou a postar crônicas sobre seu cotidiano de acidentada em sua página na rede Facebook. Para reunir estas e futuras crônicas, criou, em junho de 2017, o blog PALAVREIRA, que contava também com seções para colaborações de convidados. O nome referencia uma profissão imaginária de combinar palavras para dar sentido às coisas, ou uma árvore de palavras para alimentar sua sede de expressão.

O projeto cresceu e tornou-se este site profissional, que divulga seus trabalghos profissionais e inclui seus dois blogs.

De\sde 201, Silvia trabalha home office com jornalismo, criando conteúdos de texto sob demanda, para todo tipo de plataforma e finalidades, e também montando sites e blogs na plataforma wordpress.

Link permanente para este artigo: https://palavreira.com.br/bio-silvia-pereira/

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.