A Vida de Silvia

Silvia Cristina Pereira nasceu no Dia da Árvore (21 de setembro) do ano de 1969, em Ribeirão Preto (SP). Caçula temporã de três filhas, cedo aprendeu a brincar sozinha, criando historinhas para as peças de um tabuleiro de xadrez.

Logo descobriu nas Sessões da Tarde (que entre as décadas de 70 e 80 passava clássicos do cinema que hoje só se vê nas sessões Coruja) uma forma de “viajar” em histórias já prontas – algo que também passaria a fazer com livros desde que aprendeu a ler e que já fazia com a música, sem perceber.

Cresceu criança estranha, voltada para dentro, e se aprendeu a fazer amigos bem mais tarde na vida foi porque isso não se ensina em livros e filmes.

Decidiu quase na fila da inscrição para o vestibular que seguiria uma profissão que lhe possibilitasse “brincar com as palavras”. Chutou em Jornalismo… e acertou.

Saiu da faculdade já trabalhando na área, arregimentada por dois de seus professores para a redação do Jornal de Ribeirão. Dali foi aprender texto de revista na Revide, no início da década de 1990. Após dois anos foi trabalhar no semanário Enfim Ribeirão e, de lá, saiu para assumir uma vaga no caderno local da Folha de S. Paulo.

Quase dois anos depois foi cuidar do Departamento de Cinema do recém reativado Museu da Imagem e do Som de Ribeirão. Ficou poucos meses e voltou para o jornalismo diário, no jornal Comércio do Jahu (Jaú/SP), onde aprendeu a ser editora.

Louca, quase três anos depois já estava aceitando o cargo de editora de Cidades no Diário da Região, em São José do Rio Preto. No ano seguinte virou assessora de imprensa de Prefeitura em Mirassol, mas cansou da política e voltou de novo para o jornalismo diário. Encontrou um presentão na editoria de Cultura da Tribuna Impressa, onde ficou de 2003 a 2012. Desde então é editora no jornal A Cidade e site ACidade ON de Ribeirão Preto.

Um comentário

  • Carlos Alberto Brito Loureiro

    Parabéns Silvia pelo verdadeiro e corajoso texto sobre o golpe de 64 que culminou naquela ditadura civil-militar tirana, covarde e sangrenta. Com o respeito e admiração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: