Arquivo por tag: corrupção

Feiura exposta

A cada crise que enfrentamos no Brasil, ouço e vejo pessoas vociferando contra o governo – a maioria das vezes com muita razão -, mas o que mais me chama a atenção é a “feiura” que situações-limite como as provocadas pela greve dos caminhoneiros deixa exposta em indivíduos de toda a sociedade.

Sinto uma vergonha misturada com desesperança ver empresários aproveitando-se do desabastecimento iminente para praticar preços abusivos de combustíveis e alimentos, pessoas furando filas nos postos de gasolina, outras estocando só para a própria família provisões que fatalmente farão falta a outras.

Testemunhar esses comportamentos sempre me traz de volta à memória imagens de uma reportagem feita no Japão logo após o tsunami de 2011: cidadãos organizando-se voluntariamente em filas para comprar provisões, respeitando o limite de compras e dividindo o que têm de mais com quaisquer pessoas que tenham de menos.

E sinto inveja!

Ao mesmo tempo me vem um entendimento amargo do porquê sofremos as consequências funestas de redes de corrupção entranhadas por todas as instâncias dos Poderes que nos governam. Na raiz desses comportamentos estão os mesmos sentimentos que motivam os corruptos e corruptores demonizados nos discursos de ódio tão em voga atualmente: um profundo egoísmo e descaso com a sorte do outro.

O pior é que, se aproximarmos uma lente de aumento de pessoas flagradas comportando-se tão egoistamente, descobriremos, quase sempre, cidadãos que se acreditam tementes a Deus e cristãos… que (teoricamente) seguem os ensinamentos de um certo Jesus Cristo, que pregava o contrário do egoísmo.

Não adianta ir para as redes sociais xingar governantes se você não hesita em furar um sinal vermelho ou qualquer fila. Você ajuda a alimentar este efeito dominó da corrupção,  causa de todas as misérias que o cercam. Parabéns!

Link permanente para este artigo: https://palavreira.com.br/feiura-exposta/

Sobre a importância de uma imprensa forte

No mesmo dia em que a grande imprensa voltava toda a sua atenção à cobertura do deplorável assassinato da vereadora carioca Marielle Franco, o ministro da Justiça, Torquato Jardim, dava no Fórum Econômico Mundial para a América Latina uma chocante declaração, que acabou passando despercebida: a de que os numerosos esquemas de corrupção dados a conhecer pela operação Lava Jato é apenas “10%, a ponta do iceberg” comparado às fraudes que ocorrem nos municípios brasileiros. Ele corroborou tais afirmações com dados de auditorias feitas pela Controladoria Geral da União – uma delas prova que dois terços dos municípios fraudam a compra de merendas escolares, por exemplo.

Nos dias seguintes a essas duas notícias, haters começaram a multiplicar fake news (notícias falsas) redes sociais afora com as mais chocantes calúnias sobre a vida e a atuação de Marielle. Acusaram-na de ex-mulher de traficante a integrante de facções criminosas, quando até organismos internacionais como ONU (Organização das Nações Unidas), OEA (Organização dos Estados Americanos) e Anistia Internacional conheciam seu trabalho em prol dos direitos humanos, especialmente entre as minorias LGBT, de negros, favelados e mulheres.

O que a morte de Marielle tem em comum com a declaração do ministro da Justiça sobre a corrupção no Brasil?

A imprensa!

Explicando melhor: um e outro caso fornecem exemplos de como a imprensa é determinante em nossa apreensão da realidade e tomada de posição do lado certo ou errado da história.

Vejamos:

O importante trabalho que era desenvolvido pela vereadora do PSOL só pôde ser conhecido, para além da órbita de militância social em que ela gravitava, graças à grande imprensa. E a elucidação de seu assassinato, com consequente punição dos responsáveis, só se dará quanto maior for a pressão exercida sobre os poderes pela opinião pública, cuja voz é ampliada… PELA IMPRENSA.

Ao mesmo tempo, a disseminação de notícias falsas sobre ela podem exercer uma pressão contrária, e os assassinos e/ou mandantes poderão continuar mantendo os esquemas que fazem do Rio de Janeiro o inferno que é hoje SE a imprensa “se esquecer” de cobrar soluções para o caso.

Voltando ao alto grau de corrupção nos municípios brasileiros, o ministro da Justiça o atribui ao fato de o jornalismo independente ficar concentrado em apenas cinco dos 26 estados do País – “não há jornais fazendo cobranças sobre ética no setor público em 80% do território nacional”, disse ele com todas as letras.

Dito tudo isso, fica claro o quanto o jornalismo sério e independente pode ampliar a voz de heroínas como Marielle e o como o “marrom” pode calá-las. Mais… sem o primeiro, não enxergamos as causas de nossas misérias sociais. Até dois anos atrás, só sofríamos seus sintomas: saúde, educação e segurança sucateados e ineficientes, criminalidade descontrolada, etc, etc, etc… Já hoje sabemos, graças à operação Lava Jato, com ampla cobertura da imprensa, que muito do dinheiro de nossos impostos tem sido desviado para esquemas corruptos.

E, segundo o próprio ministro da Justiça, ainda há muito a ser denunciado.

Então, que a Polícia Federal consiga desnudar todos e o jornalismo independente amplie-se para todos os estados brasileiros.

Que os jornalistas que estão se formando nas faculdades preocupem-se menos com a via mais rápida de serem bem-sucedidos na vida e mais com o que podem fazer para ajudar nesta ampliação da voz de suas comunidades. Que enxerguem-se mais como instrumentos a serviço de seu entorno, como o fez Marielle e o fizeram grandes jornalistas antes deles.

E que, por fim, os consumidores de notícias, POR FAVOR, sejam menos preguiçosos e procurem por fontes confiáveis de informação antes de compartilhar qualquer coisa que passe por sua timeline.

Uma imprensa forte não se faz apenas com bons jornalistas, mas com leitores que lhe valorizem!

Link permanente para este artigo: https://palavreira.com.br/a-importancia-de-uma-imprensa-forte/

Nada a comemorar

Quando uma condenação por corrupção ocorre em um desses países orientais supercivilizados, como a China, as reações, tanto da população quanto dos acusados, costumam ser de vergonha genuína. Pais perguntam-se: “o que fizemos de errado?” Políticos desculpam-se (quando não se suicidam).

No Brasil, os políticos negam tudo até a mais amarga condenação e a população divide-se em um “fla-flu” político. No caso específico da de Lula, muitos foram para a rua comemorá-la com fogos e pixulecos, como numa final de campeonato vencido por seu time – se o resultado tivesse sido outro, os partidários de Lula teriam feito o mesmo.

Desculpem se soo petista para uns e “coxinha” para outros (o “fla-flu” tende a essas simplificações), mas não consigo enxergar motivo para comemorar em nenhum dos casos. Não torci para o livramento de Lula, mas tampouco estou feliz com o que sua condenação e a de tantos outros dizem sobre nosso País e sobre nós mesmos. Nem com como isso reflete em nossa identidade cidadã ou em nossas noções internas de justiça, que influenciam nossas tomadas de decisões no dia a dia – de respeitar uma lei de trânsito a ensinar um filho que não se deve fingir uma falta no futebol.

Além do mais, a punição de um ou dez corruptos não acaba com toda a corrupção. Em estruturas de poder contaminadas, como as nossas têm se mostrado, sempre há os que ficam para inventar novos modos de corromper sem ser pego ou chegam novos corruptos para substituir os antigos.

O que rompe esse ciclo é educação e não estou falando só da formal – até porque esta muitos corruptos tiveram e da mais cara que o ensino particular pode fornecer -, mas da moral, que vem de berço e sofre uma grande influência do consciente coletivo, formado por um conjunto de práticas em sociedade.

Tantas condenações mostram o quanto estamos falhando nisso e que não temos, na verdade, nada a comemorar.

* Artigo publicado no jornal A Cidade em 25/1/2018

 

Link permanente para este artigo: https://palavreira.com.br/artigo-nada-a-comemorar/

Marciana na farmácia

Diálogo presenciado numa farmácia.
Após cumprimentar um cliente conhecido na fila, uma das caixas lhe pergunta:
– Verdade que você é polícia?
– Já fui. Não sou mais.
– Mas você consegue tirar umas multas de trânsito do nome da gente?
– Já tirei muito. Hoje em dia só do meu.
Ela entrega o troco, agradece, chama o próximo, volta à carga:
– Nem tirar pontos da minha carteira? Ainda deve ter amigos lá.
O cliente pensa um pouco… responde:
– Passa os pontos para a minha [CNH]. Aí eu vejo o que eu faço. Acho que dá sim.
A caixa do lado felicita a colega:
– Tá vendo? Pra tudo na vida tem jeito.
Devido à distância entre os interlocutores, o pequeno ato de corrupção foi combinado em voz alta, à vista de todos.
Procuro identificar um olhar de indignação entre os outros cinco clientes que aguardam. Nada!
Provoco:
– E ainda reclamamos dos políticos corruptos – digo para ninguém e para todos.
Silêncio sepulcral.
Dois clientes me endereçam olhares indiferentes e logo voltam aos seus próprios pensamentos. Os outros, nem isso – “não devem ter ido a nenhuma passeata contra a corrupção”, penso.
Só o cliente ex-policial fecha a cara.
E é a caixa-multada quem passa minha compra. Pelo sorriso sem culpa que acompanha seu “bom dia e volte sempre”, tenho a certeza de que não entendeu minha provocação.
Quase tenho pena. É óbvio que não se acha uma corruptora e jamais vai entender a relação entre o seu pequeno ato e os mensalões da vida.
Saio da farmácia me sentindo uma marciana.

Link permanente para este artigo: https://palavreira.com.br/artigo-marciana-na-farmacia/