Arquivo por tag: Maya

Como ensinar seus gatos a gostarem de rock

“Mamãe, o monstro ‘Rock’ já foi embora?”

Primeiro contato da audição sensível de meus gatos com nosso som reinstalado na sala, com as caixas mais altas, para dar uma acústica melhor.

Tacamos logo “Daughter”, do Pearl Jam, em alto volume.

Pulos, sustos e correria de patinhas pelo corredor em direção ao refúgio no quarto de casal.

Loki é o primeiro a vir voltando devagarinho, todo encolhido encostado à parede, como que investigando de longe um inimigo.

Corajoso, atravessa a sala, passando em frente ao som, e dá uma corridinha até a mesa onde Márcio estuda em frente a seu laptop. Sobe à cadeira ao lado da dele e usa seu miado “lamento-pedido-de-socorro” para chamar a atenção.

Márcio para e sorri pra ele: “E aí, cara?”.

Ele continua a miar, como se conversasse. Na certa reclamando com o “pai” sobre aquela barulheira desconhecida, enquanto se esfrega pra cá e pra lá nas costas da cadeira.

“É rock, bicho. Vai ter que se acostumar!”, diz o Ma.

A esta altura já está tocando “Lightining Bolt”. Na hora dos solos de guitarra mais irados, Lóki escancara os olhos de pupilas dilatadas e corre para a outra extremidade da sala, como se fugisse de um inimigo invisível.

Maya também deixa o refúgio, mas não se arrisca pela sala. Estaca na porta do corredor, olhando em minha direção com orelhas arrebitadas para trás e olhos amarelos arregalados, mas com uma curvatura que sugere braveza, mais do que susto.

“Pode vir, neguinha! É só música”, digo.

Ela não se arrisca. Continua a me olhar fixa e diretamente, como se indagasse: “Não vai fazer nada?”.

Saco do controle remoto para procurar “Sirens”, mais calminha e sem tantos graves pra espocar pela saída do subwofer.


“Concordo com Márcio que está na hora de entenderem que
é uma casa de roqueiros. Se toda a vizinhança já sabe…”


Loki já relaxa. Esparrama-se ao chão em sua famosa pose “deitado-despreocupadamente”, mas a uma distância segura do centro da sala, onde estão as caixas.

Maya, ainda na porta do corredor, senta-se agora sobre as patas traseiras – ainda de orelhas para trás, ainda brava, ainda atirando fixa e continuamente seu olhar amarelo-preto-de-pupilas-dilatadas em minha direção.

Voluntariosa a bichinha!

Resisto. Concordo com Márcio que está na hora de entenderem que é uma casa de roqueiros. Se toda a vizinhança já o sabe…

A sequência de “Sirens” é “Infalible”, mais cadenciada, mas de riffs agudos, que fazem Lóki levantar as orelhas, mas nem por isso sair de sua pose descansada. Olha em minha direção como a perguntar: “É isso mesmo?”

Eu sorrio sem desviar o olhar e ele volta, obediente, a fechar os olhinhos pra dormitar.

“Bom garoto”!

Maya já não me olha, mas nem por isso abandona a posição estratégica. Ensaia deitar como esfinge e suspeito que já não lhe incomoda tanto o som e continua distante por pura rabugice. As pupilas já não estão dilatadas, as orelhas voltaram a apontar para o teto e o formato do olho relaxou na posição amendoada, que lhe dá aquele ar característico de descaso.

Eu a ignoro também.


“Começo a escrever este texto sobre eles, mas
mantendo uma meia atenção em minha visão periférica”


Começo a escrever este texto sobre eles, mas mantendo uma meia atenção em minha visão periférica.

Dali a pouco, percebo um vultinho negro aproximando-se à direita da tela do laptop.

Maya adianta sua posição alguns passinhos, até a porta da sala. Olha pra um lado, para o outro, observa Lóki deitado despreocupadamente, olha pra mim de novo com a cabecinha meio pendendo pra um lado, como numa interrogação.

Dou uma piscadinha. Ela não.

“Metidinha”!

Exatamente nesta hora espocam pelas caixas as guitarras nervosas de “Mind Your Manners”.

Susto!

Maya corre desenfreada de volta para o quarto e some. Lóki levanta-se calmamente e vai atrás dela. Na certa tentará acalmá-la a lambidas, como já o vimos fazer tantas vezes. Um cavalheiro cuidador este meu menino!

Espero.

Nada.

Demora dez minutos pra que Lóki comece a voltar, vencido.

“Maya teimosa”!

Na sala, Loki dá uma volta inteira de reconhecimento por toda a área de circulação, esfregando-se em pés de mesa, de sofá e em nossas pernas antes de voltar à pose “deitado-despreocupadamente” ao lado de minha poltrona. Começa a se limpar a golpes de lambidas – uma lindeza, não canso de assistir – e relaxa ao som de “Alive”.

Oooooooh… I’m still alive / Hey, hey, I, oh, I’m still alive

Eles também vão sobrevivendo.

Agora silêncio na troca de faixas. Identifico nova pasta do pen drive sendo lida…

… E o som cospe a algazarra sonora do início de “Around the World”, dos Red Hot Chilli Peppers, que o Ma reverencia de braços pra cima, achando-se em um show de rock.

Desta vez Lóki se assusta e corre desabalado para o quarto, derrapando na curva do corredor e divertindo-nos com o barulho de suas patas escorregando pelo piso frio.

“Paciência. Vão ter que se acostumar”, decreta Márcio.

Eu concedo e venho terminar este texto imaginando como será quando eu tiver de apresentá-los ao Aerosmith ou ao Queen – o que, fatalmente, vai acontecer em algum momento deste fim-de-semana de folga… Ah vai!

Link permanente para este artigo: https://palavreira.com.br/como-ensinar-seus-gatos-gostarem-de-rock/

Lóki & Maya – uma relação

A relação entre meus gatos, Lóki e Maya, é de amor e ódio desde que ela chegou à nossa casa, pouco mais de um mês depois dele – ela com quatro, ele com três meses.

Era novembro de 2016.

Eu andava de muletas, após quatro meses de imobilidade total e cerca de 30 dias reaprendendo a me mover com andador, por conta do acidente sofrido em julho. Márcio começava a planejar sua volta ao trabalho após meses parado só para cuidar de mim.

Nos primeiros dias de Maya em casa, Lóki fez greve de fome. Vivia de orelhas arrebitadas para trás – sinal de braveza nos gatos – a evitar os cômodos em que ela transitava. Trocavam sibilos ao se esbarrarem pelos corredores.

Preocupei-me.

Consultei amigas gateiras, que aconselharam: “dê-lhes mais uns dias”. E eu dei.

Após uma semana, já se alimentavam lado a lado e compartilhavam sonecas no mesmo cômodo. Logo passariam a dormir lado a lado também sobre sofás, camas e no arranhador caseiro – um no topo, outro na redinha de baixo – que montei a partir de um banco de madeira, tapetes e cordas.

Hoje chegam a dormir entrelaçados, com o queixinho de um repousando sobre o pescocinho do outro. Uma lindeza de ver!

Quando compartilham a mesma fonte de água – geralmente uma torneira de banheiro que abro a pedidos (miados) -, derreto-me de paixão.

Deram um trabalhão quando Maya entrou no cio, uma semana antes de sua cirurgia de castração. Lóki já havia passado pela sua, mas ainda assim caiu na sedução da bichinha – quem o condenaria?

Castrados, ainda se atracam de vez em quando, mas para brigar, a golpes de unhas e dentadas, sem que nenhum dos dois saia machucado. Dali a pouco voltam às boas, feito irmãos.

E não se largam. Nenhum fica muito tempo sozinho em um cômodo sem sair para descobrir aonde está o outro.

Não raro assistimos a Lóki – o afetivo da dupla – lamber rosto e pescoço de Maya, num carinho de macho cuidador nem sempre bem recebido. Quando está de ovo virado, ela o rejeita com uma patada na fuça, que ele revida jogando-se em cima dela para outra briga, daquelas de rolarem pelo chão (assista a seguir).

Mais individualista, Maya nem liga para os miadinhos de protesto de Lóki em dia de banho. Já ele fica esperando à porta do box, perdido em longos miados de aflição ante o escândalo de Maya ao ser banhada – e é um baita escândalo! É necessário dois de nós para banhá-la, pois a danada arma as unhas, debate-se e nos arranha de todo jeito tentando se livrar, enquanto mia alto de desespero, como se estivesse sendo castigada.

Noturnos, continuam ativos na perseguição um ao outro muito depois de seus humanos recolherem-se para dormir – ouvimos seus trotes ecoando pelos corredores e móveis antes de cedermos ao sono.

Lóki diverte-nos com sua peraltice incorrigível, e Maya deleita-nos com seu charme arrebatador (como é linda!).

De manhãzinha, na cama, aninham-se sobre meu corpo (tá vendo meu pé lá atrás? rs)

Juntos, eles me ensinam paciência, pois não dão seu afeto na primeira hora ou incondicionalmente – tente pegá-los no colo sem suas concordâncias, por exemplo, e eles se debaterão até se livrarem. Quando estiverem prontos, eles mesmo se oferecerão a carícias e colos, como uma concessão a nós.

De manhãzinha, perto do nascer do sol, ambos vêm para nossa cama de casal. Maya se acomoda em posição de esfinge sobre meu peito ou barriga, e Lóki se enrodilha no espaço entre minhas pernas cobertas, onde sempre tem um travesseiro para amortecer o contato de meu fêmur operado com o colchão ortopédico.

E assim ficam até eu fazer o primeiro movimento de acordar, que eles brindam com lindas espreguiçadas e miados de “bom dia”.

É enganosa a ideia de que gatos não sabem amar. Amam um amor não-servil, mas inequívoco, cheio de presenças silenciosas, olhares demorados, mordidinhas indolores e chamegos de corpo todo em nossas pernas.

Impossível não amá-los de volta com a mesma dignidade.

 

GALERIA (clique em qualquer foto para ampliá-la e explorar a galeria)

Link permanente para este artigo: https://palavreira.com.br/loki-maya-uma-relacao/

Maya (ou a gata mais linda do mundo)

O nome é Maya, os apelidos “Neguinha” ou “Gordita”… mas tanto faz… ela não atende por nenhum! Costumo dizer que seu nome só serve para sabermos como nos referir a ela.

Sua origem não explica a pose e o comportamento indolentes de “lady”. Conta sua primeira protetora (a querida Inês Rodrigues) que foi resgatada junto a um morador de rua, após ter sido abandonada pela dona de sua mãe.

Sabe-se lá o que comeu então, pois chegou já fraquinha do intestino – uma diarreia que não tinha fim com remédios e só melhorou após testarmos várias rações e acertarmos com uma (cara!) à base de arroz e frango. Ainda assim, volta-e-meia temos que corrigir uma ou outra ocorrência com pasta de aminoácidos (que ela odeia)!

Preguiçosa, Maya parece viver só pra dormir pelas camas, caixas, arranhador e pias do apartamento – ou onde bater o melhor sol.

Enquanto escrevo este post, por exemplo, Márcio tenta registrá-la pela lente do celular toda esparramada no chão, no sentido da fresta de sol que entra pela janela (foto abaixo). Mas basta ela perceber a atenção pra começar a rolar de um lado pro outro, contorcendo-se em dengos.

Abusa do charme, a gostosa!

Não costuma se dar ao trabalho nem de miar. Sabemos que está com fome quando se senta ao lado de seu pratinho vazio e nos endereça um olhar inquisidor. Quando o faz – muito raramente -, sai um sonzinho agudo, baixiiiiinho, que até duvidamos se ouvimos mesmo.

As exceções são os dias de banho… Aí sim a miadeira é alta e angustiada.

Arisca, Maya só dá atenção a um humano quando lhe interessa algum biscoito sabor carne. Blasé, interessa-se pouquíssimo pelo que acontece em torno de si – o maior dos barulhos em casa merece-lhe, no máximo, uma semi-abertura lenta dos olhinhos amarelos.

Adora uma carícia!

Adora uma carícia, mas debate-se toda quando lhe pegam no colo. Não porque não goste, mas porque é ela quem decide a hora de interagir com seus humanos. Quando quer, sobe em nossas pernas ao sofá e afofa o tecido de nossas roupas antes de enrodilhar-se em nosso colo. Na cama, quando está para amanhecer, deita em posição de esfinge sobre meu peito e assim fica até eu fazer os primeiros movimentos de levantar.

E que fotogenia! É linda vista de qualquer ângulo, em qualquer pose, sob qualquer luz… para o que contribuem os olhos claríssimos, em contraste com os pelos longos e eriçados, que lhe arredondam ainda mais a silhueta fofinha.

Pra mim, é a gata mais linda do mundo!


Leia também “Leia também “Loki (ou pode chamar de ‘demoninho’)


 

Clique em qualquer foto para ampliá-la e abrir a galeria

I

Link permanente para este artigo: https://palavreira.com.br/maya/