Meu primeiro amor

Meu primeiro amor foi um menino de não mais de 13 anos. E eu, bem, deveria ter 11. Nunca conversamos. Apenas nos olhávamos de longe e quando o via meu coração dava pulos que eu não sabia reconhecer, pois nunca sentira nada igual.

Isso aconteceu em uma de minhas férias da escola passadas na casa de uma tia querida, em uma cidadezinha, quase uma vila, não muito longe daqui.

Para mim, aquele menino não era um príncipe, porque eu não acreditava em contos de fadas, pois em minhas tardes de domingo eu assistia ao seriado do Zorro no cinema do bairro. Ele era uma pessoa que eu sempre soubera existir em algum lugar me esperando, mas só me dei conta disso quando o vi pela primeira vez. Voltei para casa e pensava nele todas as noites antes de fechar os olhos para dormir. E sonhava com o dia em que voltaria a vê-lo. E o via diante de mim cada vez que meu pai colocava um disco do Caruso na vitrola. Alguém sabe o que é vitrola?

Nas férias seguintes, voltei à casa de minha tia e tudo se repetiu. Nos víamos e parecia haver entre nós um entendimento como se pertencêssemos um ao outro e nada pudesse quebrar aquele encanto. E assim foram três anos seguidos até que minha tia se mudou daquela cidadezinha linda para outra muito, mas muito longe dali. Quando soube da mudança comecei a chorar e ninguém entendia o motivo.

Nunca mais quis passar as férias na casa de minha tia porque naquela outra cidade não havia nada que eu pudesse amar mais do que aquele menino.

Quando adulta, um dia voltei lá. Fiquei dando voltas pela cidade como se fosse possível encontrá-lo e, mesmo se isso acontecesse, será que nos reconheceríamos? E o que eu diria a ele? Eu que nunca ouvi sua voz, nem sei a cor de seus olhos.

Vivi outros amores, com intensidades diferentes porque o coração tem compartimentos onde sentimentos se alojam e um não interfere no outro, como caixas bem trancadas, e mesmo quando esse amor acaba, na verdade não acaba, fica sempre um resquício, como fímbrias em uma janela fechada.

Sim tive outros amores, mas nenhum como aquele que me fez conhecer esse maravilhoso e inexplicável sentimento, capaz de permanecer intacto, preservado, envolvido em uma cápsula e, quando quero me certificar de que estou viva, eu abro e sinto que, como disse Jean Cocteau, “amar é descer bem depressa de elevador”.

Acho que ele disse isso. Se não disse, eu digo.

 


A jornalista e escritora Matilde Leone publica sua crônica na seção “Delírios de Matilde” sempre às sextas-feiras.

Link permanente para este artigo: https://palavreira.com.br/meu-primeiro-amor/

6 comentários

Pular para o formulário de comentário

    • Márcia em 28 de agosto de 2017 às 10:28
    • Responder

    Ai, quem não viajou, quem não tem alguém assim? Delicioso.

    • Elivanete em 27 de agosto de 2017 às 13:01
    • Responder

    Que lindo! Aliás, todos os textos deste “Palavreira” são bonitos. Mas, Mati, gosto muito especialmente dos seus

    • Karine em 26 de agosto de 2017 às 10:16
    • Responder

    Também tive um amor assim. Mas tivemos a sorte de não nos perdermos nessa vida. Às vezes mantemos contato. Depois de tantos anos eu ainda o tenho guardado, nesse espaço reservado aos amores, que se modificam, mas não acabam.

    1. Que lindo!

    • Mariangela em 25 de agosto de 2017 às 14:10
    • Responder

    Que pena nao ter nem a voz dele pata se lembrar

    • Natali em 25 de agosto de 2017 às 13:10
    • Responder

    Não sabe o nome dele?

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.