Delícia de romance-fórmula!

Quão lindo pode ser um amor maduro? Sem promessas de felicidade cor-de-rosa, mas, ainda assim, um cobertor quente e macio dentro de uma casa velha chacoalhada por uma tempestade… É como os charmosíssimos Diane Lane e Richard Gere (ai, ai…) nos fazem crer no amor, mesmo em um filme-clichê como “Noites de Tormenta” (Nights in Rodhante, 2008), passado no litoral da Carolina do Norte, à época da passagem de um furacão.

Vamos combinar, não é uma grande história. Se você colocá-la ao lado dos demais romances de Nicholas Sparks – o autor romântico mais filmado da atualidade (vide “Uma Carta de Amor”“Um Amor para Recordar”“Diário de uma Paixão”“Querido John”“A Última Música”, todos calculadamente açucarados) -, vai perceber que segue a mesma fórmula das outras, apenas com nomes e idades diferentes para os personagens: sempre um homem e uma mulher que, depois de se apaixonarem idilicamente, são separados por um drama que, ou envolve renúncia ou morte.

A diferença em “Noites de Tormenta” é como um par de atores maduros consegue conferir veracidade, dignidade e charme irresistíveis a esta história-coringa. Você só quer mandar seus pudores intelectuais às favas, enrolar-se em um edredom no sofá da sala e render-se ao clima, de preferência levemente embebedada por duas taças de vinho frisante. E se São Pedro ainda manda uma chuvinha para tamborilar na sua janela, hummmm…

Ao fim da sessão de choro catártico, só resta redimir-se em 1.500 toques de um texto de blog em que você explica porque, de vez em quando, precisa render-se a um romance-fórmula: porque é tudo de bom!

Link permanente para este artigo: https://palavreira.com.br/delicia-de-romance-formula/

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.