Necrológio

Para fazer um necrológio de 2017, que agoniza, tenho a dizer que foi o melhor “pior ano” de minha vida.

Pior porque passei o primeiro semestre dele recuperando-me de um acidente grave e o segundo tentando administrar acontecimentos difíceis: uma readaptação complicada à rotina de trabalho; um AVC e um infarto de minha mãe; dois meses de hospitalização de meu pai por conta de três cirurgias de intestino; o desencarne em circunstâncias tristes de pessoas queridas – meu cunhado-irmão Nando, meu amado tio Silvio Pereira (a quem devo meu nome), o amigo Lau.

Mas também foi o melhor ano porque o termino feliz e serena como em nenhuma outra virada antes, graças a um abençoado mecanismo psicológico que começou a funcionar dentro de mim… um que me fez olhar de outra forma para coisas e pessoas que já tinha antes de cada acontecimento ruim e que me fez perceber quanta sorte tenho por cada uma delas.

O resultado desse mecanismo é um sentimento cujo nome foi campeão de citações nas redes sociais este ano, tendo merecido até matéria em televisão: gratidão.

Eu sei que nem sempre esta hashtag é usada com sinceridade nas redes, mas meu recém-desperto otimismo (outro sentimento que estou aprendendo a exercitar) me leva a acreditar que esta palavra não virou modismo à toa.

Talvez todos os fatos ruins que vêm ocorrendo em nível mundial estejam despertando este mesmo mecanismo em milhares de outras pessoas mundo afora.

Talvez essas milhares de pessoas estejam aprendendo, a  partir do sofrimento, a valorizar o que lhes resta de bom em vez de só chorar pelo que sofrem.

Talvez a nova era que místicos e espiritualistas prometeram para este milênio esteja sendo construída a partir desse sentimento-alicerce.

Muitos “talvez”, eu sei, mas depende de cada um de nós transformá-los em certezas.

Tentarei fazer minha parte. É minha promessa de Ano Novo!

Link permanente para este artigo: https://palavreira.com.br/necrologio-de-2017/

2 comentários

    • Márcia em 1 de janeiro de 2018 às 12:32
    • Responder

    Me diz, Sílvia, como não se emocionar diante disso?

    • Márcio Pelegrina em 31 de dezembro de 2017 às 12:58
    • Responder

    Tentaremos juntos! Me orgulho muito de vc, da sua luta incessante para ser uma pessoa melhor. Te amo cada vez mais. Amém!

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.