‘Once Upon a Time’: desconstruindo contos de fadas

Era de se supor que uma produção intitulada “Once Upon a Time” (“Era Uma Vez”), cuja proposta é alinhavar continuações para contos de fadas universalmente conhecidos, tivesse uma narrativa simples, ingênua, voltada para o público infantil. Mas “simples” é tudo o que esta série de TV não é, por mais que se apodere da fantasia.

Os roteiristas Adam Horowitz e Edward Kitsis controem um edifício narrativo engenhoso, usando como espinha dorsal a história de uma cidade com o sugestivo nome de Storybroke (trocadilho em inglês para “história quebrada”), onde personagens de um certo Reino Encantado vivem esquecidos de suas verdadeiras identidades devido a uma maldição lançada pela Rainha Má.

A trama da primeira temporada gira em torno dos esforços do filho adotivo da Rainha, que na cidade assume a persona de prefeita. Ele tenta convencer sua incrédula mãe biológica de que ela nasceu predestinada a libertar aquela população aprisionada em sua própria amnésia.

No meio de cada trama, narrativas paralelas contam em flashback a vida de cada personagem (Branca de Neve, Cinderela & cia), mas a partir de seus finais clássicos, ou seja, para além dos “felizes para sempre”. E assim vai desconstruindo os contos de fadas como os conhecemos.

A cada flashback, a história de um personagem esmiuça as motivações para o conjunto de escolhas que lhe confere – ao menos nas histórias originais – o rótulo de vilão ou herói. À medida que o espectador se aprofunda, descobre que nada – melhor dizendo, ninguém – é (só) o que parece.

A Rainha Má, por exemplo, não foi sempre rancorosa. Forçou-se a endurecer após uma trágica perda. E a Branca de Neve não é exatamente um modelo de virgem casadoira e submissa.

Ambíguo, o mago Rumpletilstiskin passa o seriado todo oscilando entre o bem e o mal, motivado ora pelo medo, ora pela vingança, ora pelo amor. E a grande heroína da trama, a “salvadora” – o vínculo com a vida real na trama – já sobreviveu de pequenos golpes.

Ironicamente, esta abordagem ajuda a tornar os personagens de contos de fadas mais próximos dos seres humanos “reais” – o que, no final das contas, também é a função dos arquétipos – e elimina o recurso “moral da história”, tão caro ao gênero. Simplificador, ele não cabe numa narrativa que explora também os semitons das tramas.

Para resumir, desconfio que Carl Gustav Jung – para quem “os arquétipos do inconsciente coletivo também se expressam através de narrativas, especialmente o mito e o conto de fadas” – teria aprovado “Once Upon a Time”.

Link permanente para este artigo: https://palavreira.com.br/serie-once-upon-a-time/

2 comentários

    • Breno em 11 de dezembro de 2013 às 07:02
    • Responder

    Olá Silvia, faz tempo que não leio o Cinélide, mas quando vi que era sobre Once Upon a Time tive que entrar. Eu e Jana acompanhamos essa série e, com certeza, assinamos embaixo do seu post. Tudo que sempre ouvimos nas histórias de contos de fadas é desconstruído na série e, justamente por isso, que a torna muito interessante. Para nós a personagem mais emblemática de tudo isso é Rumpelstiltskin (brilhantemente interpretado por Robert Carlyle) que, como você disse, alterna entre a tênue linha do amor e ódio durante suas mais diferentes fases da vida. Vale a pena mesmo seguir essa série…. Pode parecer um tanto quanto “infantil” num primeiro momento, mas de contos de fadas… ah! Isso não tem mesmo.
    Abraços.

    1. Oi Breno, há quanto tempo. Fiquei feliz com seu comentário. Apareça sempre. Beijos para vc e pra Jana.

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.